15º domingo comum – 11 de julho

S. Marcos 6,7-13

Chamou os doze discípulos, começou a enviá-los dois a dois e dava-lhes poder sobre os espíritos maus. Jesus recomendou que não levassem nada pelo caminho, além de um bastão; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura.

Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas. E Jesus disse ainda: “Quando vocês entrarem numa casa, fiquem aí até partirem. Se vocês forem mal recebidos num lugar, e o povo não vos escutar, quando saírem, sacudam a poeira dos pés como protesto contra eles.”

Então os discípulos partiram e pregaram para que as pessoas se convertessem. Expulsavam muitos demónios e curavam muitos doentes, ungindo-os com óleo.

O texto do Evangelho de hoje situa-se logo após a rejeição sofrida por Jesus em Nazaré (Mc 6,1-6). Neste texto é Jesus quem toma a iniciativa e convida-nos a refletir e escutar sua mensagem e entender seu significado hoje para as diferentes culturas que vivemos.

Marcos narra que “Jesus chama os discípulos, os envia de dois a dois e lhes dá poder sobre os espíritos maus“. É um novo começo. Jesus inicia a sua comunidade de discípulos e discípulas na missão, que é a mesma que a dele! Todo o que é chamado é para uma missão. Ele os envia e dá-lhes o mesmo poder que Ele tem.

Resulta interessante o detalhe do evangelista ao dizer que os discípulos são enviados de dois em dois. Desta maneira, sinaliza que a missão não é propriedade de uma pessoa, e sim de toda a comunidade. Os/as missionários/as são enviados em nome de uma comunidade e com a mensagem evangélica.

Os cristãos e cristãs, de todos os tempos, participam da missão que Jesus confiou à sua Igreja.

Não há superioridade de um/a missionário/a sobre outra pessoa ou outra comunidade.

Texto adaptado por Rafael Coelho, disponível em

http://www.ihu.unisinos.br/42-noticias/comentario-do-evangelho/500161-domingo-12-de-julho-evangelho-segundo-sao-marcos-6-7-13

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *