S. Tomé, Apóstolo – 03 de julho

S. João 20,24-29

O Apóstolo São Tomé, um dos discípulos de Jesus, é conhecido por ter duvidado da Ressurreição de Jesus testemunhada pelos outros discípulos. A dúvida de Tomé foi apenas narrada pelo Evangelista João e no dia que a Igreja dedica ao Apóstolo Tomé, o Evangelho narra-nos a sua dúvida e a sua reação quando Jesus lhe apareceu.

São Tomé não deve ser apenas conhecido por ter sido o discípulo que duvidou. O evangelista que denuncia a dúvida, narra duas intervenções de São Tomé sobre as quais devemos refletir.

Quando Jesus recebeu a notícia da morte de Lázaro, Jesus disse aos seus discípulos: vamos outra vez para a Judeia. Os discípulos responderam-lhe: Mestre, ainda há tão pouco tempo que os judeus te queriam matar e vais agora voltar para lá? Jesus respondeu aos discípulos e a concluir disse: Lázaro morreu. Vamos lá sem demora. E a reação à decisão de Jesus surge de Tomé dirigindo-se aos outros discípulos: vamos nós também para morrer com o Mestre! (João 11,6-16).

É um outro aspecto muito importante da personalidade de Tomé: a solidariedade para com o Mestre. Tomé revela que tinha aprendido bem os ensinamentos de Jesus e o testemunho do amor ao próximo.

Outra intervenção de Tomé ocorreu na noite da Paixão. Jesus tinha comido a Páscoa com os seus discípulos começou a prepará-los para a sua Paixão e Morte, dizendo aos discípulos: não estejam preocupados. Tenham confiança em Deus e em mim também. Na casa de meu Pai há muitos lugares. Eu vou à vossa frente para vos preparar um lugar. Já sabem o caminho para onde eu vou. Tomé interrompeu, perguntando a Jesus: Senhor, nós nem sequer sabemos para onde é que tu vais! Como é que podemos saber qual é o caminho? Jesus respondeu: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém pode chegar ao Pai sem ser por mim.

Tomé, apesar de ter aprendido muito de Jesus, mantinha-se muito agarrado ao lado material da vida, a preocupação de saber para onde ia Jesus que não identificava qualquer lugar, e não sabendo o lugar, como saber qual o caminho? O caminho de Jesus não era o caminho para a vida terrena, mas sim o caminho espiritual para a vida.

Por isso Jesus respondeu a Tomé: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. (João 14,1-6).

Não é por acaso que Jesus usa a expressão Eu sou. Foi com estas palavras que Deus se identificou a Moisés: Eu sou (Êxodo 3,14)

A frase completa é altamente teológica e espiritual: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Jesus identifica-se com Deus, e é em Deus, na pessoa de Jesus, que encontramos o caminho para a nossa vida, a verdade da fé e vida eterna.

É preciso juntar todo o conhecimento da personalidade de Tomé, solidário e materialista para compreendermos a sua dúvida e a revelação do Amor de Deus concedendo-lhe a bênção de eliminar a dúvida no reencontro com Jesus.

Carlos Duarte, presbítero

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *