1º domingo depois do Natal – 26 de dezembro

S. Lucas 2,41-52

“Desceu com eles, voltou para Nazaré e era-lhes submisso”. “Era-lhes submisso”.
Que todo o orgulho derreta diante destas palavras, que toda a soberba se desfaça, que toda a desobediência se submeta. “Era-lhes submisso”. Quem? Aquele que, com uma só palavra, tudo criou do nada. Aquele que, como diz Isaías, “mediu o mar com a concavidade da Sua mão, e mediu o céu com o Seu palmo;
que mediu com o alqueire a massa terrestre e pesou as montanhas na báscula e as colinas na balança” (40, 12). Aquele que, como diz Job,
“sacode a terra do seu lugar e abala as suas colunas, ordena ao sol e o sol não nasce, e guarda sob selo as estrelas. […] Aquele que fez
grandes e insondáveis maravilhas, prodígios incalculáveis” (9, 6-10).
[…] É Ele, o grande e poderoso, que assim Se submete. E submete-se a quem? A um operário e a uma pobre senhora. Oh “primeiro e último” (Ap 1, 17)! Oh Senhor dos anjos, submisso aos homens! O Criador do céu, submisso a um operário; o Deus da eterna glória, submisso a uma pobre senhora! Quem viu jamais coisa
parecida? Quem ouviu jamais contar coisa semelhante?
Não hesiteis, pois, em obedecer, em ser submissos. […] Descer, voltar para Nazaré, ser submisso, obedecer na perfeição: eis o cúmulo da sabedoria. […] Eis a sabedoria com sobriedade. A pura simplicidade é “como as águas de Siloé, que correm tranquilas” (Is 8, 6). Durante a história da Igreja de Cristo, alguns foram os sábios que teorizaram e refletiram sobre a vida e a palavra de Jesus e da Bíblia, mas foi através dos homens simples, pela humildade dos corações, que Deus
construiu o Seu templo Santo que é o Seu Reino dos Céus, iniciado na Terra pela Sua Santa Igreja. Deus escolheu os loucos e os enfermos,
os fracos e os ignorantes, para através deles congregar aqueles que eram sábios, poderosos e nobres, a fim de que ninguém se vanglorie
diante de Deus (1Cor 1, 26-29), mas todos se gloriem Naquele que desceu, que voltou para Nazaré e que era submisso.
Adaptado de “Arautos do Evangelho”

Rafael Coelho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *